11 de setembro de 2013

Life of PI


Nunca vi um filme com tanto significado.

A ilha simbolizava a morte e a vida, De um lado ela te dá, e de outro ela tira.

A história dos animais no bote é a analogia da morte de uma tripulação perdida no mar durante muito tempo. Mas tudo depende do seu ponto de vista, qual história você prefere? A do tigre é claro. O final depende de você.

O tigre que era o problema, era também a salvação, o fez manter alerta e vivo. O mesmo tigre que seu pai lhe ensinou que mantivesse longe pois lhe mataria. 
Nunca desistir.

No final, o tigre vai embora e nem olha pra trás, assim é a vida. O que resta é o arrependimento de não ter dito as coisas na hora certa, ter perdido as oportunidades.

Que filme!





Site oficial: http://www.lifeofpimovie.com


1 de julho de 2013

Sobre as manifestações


Reportagem da CNN falando sobre o que está acontecendo no Brasil.

Tomara que a copa mude nosso país mesmo, mas não por causa dos elefantes brancos que vão ficar, e sim pelas pessoas que não vão aceitar mais serem enganadas.

A economia explica que quando o ser humano consegue uma coisa ou conquista algo, ele tende a ir atrás de outra, buscando o próximo passo, para sanar outra escassez. É por isso que eu não sou contra bolsa escola e etc, apesar de ser uma medida populista. No geral, acho que essas pessoas não vão sossegar, vão querer mais, e a educação da meios para isso. Por mais ruim que seja é melhor do que nada.
E assim como milhões atingiram a classe C, outros milhões estão dando um passo pra trás, e por isso tem toda essa revolta.

Hoje uma manifestação estava bloqueando a rua, tive que pular um canteiro e voltar pra ir em outro mercado. Fiquei bravo por um segundo, mas já lembrei que essas pessoas na rua estão certas e eu devia estar alí.

video

26 de junho de 2013

Hey, quem você pensa que é? (Secondhand Lions- 2003)



- Ei! quem você pensa que é, hein?

- Eu sou Hub McCann.

Lutei em duas guerras mundiais e inúmeros outros menores em três continentes.
Liderei milhares de homens para a batalha contra tudo, desde cavalos e espadas até artilharia e tanques.

Eu vi as cabeceiras do Nilo, e tribos de nativos que nenhum homem branco jamais havia visto antes.

Ganhei e perdi uma dúzia de fortunas, matou muitos homens e amado apenas uma mulher com uma paixão uma pulga como você nunca poderia começar a entender.

Isso é quem eu sou.

17 de junho de 2013

Até que enfim o Brasil lutando!

Hoje foi um dos poucos dias que fiquei orgulhoso e emocionado pelo povo brasileiro. Espero que deixe mesmo de ser o tal "povinho pacífico" que aceita qualquer coisa, que pega ônibus lotado, que deita no chão do hospital e que só faz revolução no sofá. Seria um sonho se esses dias tiverem ficado pra trás. Que as borrachadas da policia sirvam pra alguma coisa, que fique  marcas profundas como tatuagens quem sabe assim ninguém mais esquece em quem votou, e um dia tiramos duma vez esse câncer da corrupção e da impunidade, pois não conseguimos mais nem crescer quando TODOS os outros países emergentes estão crescendo.



http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2013/06/manifestantes-invadem-cobertura-do-congresso-nacional.html


http://g1.globo.com/brasil/fotos/2013/06/veja-fotos-de-protestos-realizados-pelo-pais-nesta-segunda-feira.html

16 de junho de 2013

Quebrando o Tabu

Baita documentário! Nunca antes houve um mundo sem drogas, e nunca haverá. O ser humano sempre buscou uma atividade recreativa pra fugir da realidade. Não podemos tratar quem consome como criminosos. No pior dos casos são doentes, mas não criminosos.



A droga é prazerosa sem dúvida, se não fosse ninguém usaria. Mas como disse Paulo Coelho no filme:
"a droga é boa você vai gostar, mas cuidado, ela vai te tirar a única coisa que você tem na vida: a capacidade de decidir."

7 de junho de 2013

E a vida segue imitando a arte... de ficção científica

Robos patrulhando os ares?
Cada ano que passa fica mais interessante pra quem gosta de engenharia. Já imagino umas mil aplicações pra isso.





15 de maio de 2013

Culpa da Internet?


Pelo jeito não. Este sujeito fez um experimento que eu gostaria de fazer (mas agora não preciso pois ele já fez).
A internet e a vida moderna não atrapalha sua vida, se você não procrastinasse com ela, iria encontrar outras coisas.

Um ano sem internet


Paul Miller tinha um desafio: ficar um ano sem Internet. No início tudo são flores, mas e no final? Você conseguiria? Você voltaria para a Internet após um ano sem ela? Paul achava que não.
Paul Miller - The Verge
Paul Miller é um articulista de tecnologia do The Verge que topou o desafio de ficar offline por um ano. Nada de e-mails, web, GPS, smartphone, e-books, nada. Não ficou sem usar tecnologia, claro, seria um tanto mais complicado, principalmente porque ele continuou sendo pago pelo The Verge para escrever seus artigos. Mas ficou desconectado.
Ele achava que encontraria, nesse hiato, seu verdadeiro eu, sua identidade perdida na batalha contra a vida corrida e intensa da Internet, as distrações que o mantinham distante das coisas reais, das pessoas reais, de sua família, do que realmente valia a pena. Da vida.
Ao contrário de tudo isso, Paul descobriu que sua vida e a Internet eram coisas intrínsecas. Ele descobriu também que na vida offline existiam tantas distrações quanto na online. Após um tempo ele descobriu o quanto era difícil pra ele, sair de casa para encontrar os amigos, fazer ligações ao invés de enviar e-mails, responder as cartas dos seus leitores e ir aos correios para enviar. Ele finalmente concluiu que não era a Internet que o atrapalhava de descobrir seu verdadeiro eu, que o afastava das pessoas ou que o distraía com coisas inúteis ao invés de focar nas verdadeiras coisas que valiam a pena.

O culpado, era o próprio Paul

Em seu texto de retorno à Internet, Paul diz que se sente decepcionado com ele mesmo por não ter tido nenhuma epifania no período, por não ter realizado o que era o objetivo do projeto. Mas Paul se enganou. A sua epifania foi sua grande descoberta sobre si mesmo, sobre ser o principal responsável pelo rumo que sua vida toma, por suas escolhas, pelos erros e acertos, pelo aprendizado.
What I do know is that I can’t blame the internet, or any circumstance, for my problems. I have many of the same priorities I had before I left the internet: family, friends, work, learning. And I have no guarantee I’ll stick with them when I get back on the internet — I probably won’t, to be honest. But at least I’ll know that it’s not the internet’s fault. I’ll know who’s responsible, and who can fix it.
A Internet (ou o videogame, o Facebook, a escola, o trabalho, ou qualquer outro culpado que você queira arrumar) não é responsável por nos afastar de nosso caminho. Nós somos os únicos responsáveis pelas escolhas que fazemos. Nenhuma tecnologia vai mudar quem você é. Ela pode apenas amplificar, facilitar a divulgação e a conexão com outros iguais.
O que você está fazendo da sua vida?

Video-documentário de Paul Miller / The Verge

Fonte: http://tecnocracia.com.br/1230/um-ano-sem-internet/